Simplesmente

Simplesmente

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Falência do S.P.F.C

Ai..ai, cada uma que sou obrigada a ler nos post dos infelizes Corintianos..rsrs



Curintianos e paumerenses insistem em dizer:


O SPFC já faliu!!!Segue abaixo uma prévia do texto e verdade dos fatos que diz respeito à suposta falência do São Paulo FC, conhecido informalmente como São Paulo da Floresta. Reza a lenda que o clube faliu em 1935 por conta de dívidas ocasionadas pela aquisição do Palácio Trocadero, e acabou sendo refundado no mesmo ano.Vamos aos fatos.1. O que é falência?Antes de dizer se o São Paulo faliu ou não é preciso saber o que é falência. Apesar da utilização informal do termo, trata-se de um instituto de natureza jurídica, e que consiste no estado de “insolvência do devedor que tem seu patrimônio submetido a um processo de execução coletiva”, nos dizeres de Amaury Campinho



[1].Observe-se que, para se falar em falência, é preciso haver dois elementos: insolvência e um processo de execução coletiva.Insolvência é quando o patrimônio do devedor é inferior às suas dividas, ou, nas palavras de Fábio Ulhoa Coelho: “é a insuficiência de bens no ativo para atender à satisfação do passivo”



[2].E processo de execução coletiva é quando os credores do devedor se reúnem para cobrar os valores que lhe são devidos.2. Como o São Paulo foi extinto em 1935?O livro História do Futebol no Brasil, do jornalista Thomaz Mazzoni



[3] traz importantes informações sobre o que realmente aconteceu.Na verdade houve uma disputa política dentro do clube: uns defendiam que o São Paulo deveria se fundir com o C.R. Tietê, acabando com o futebol no clube e outros rechaçavam veementemente essa propostaAqueles que queriam a fusão estavam descontentes com a situação financeira do clube por conta da aquisição do Palácio Trocadero e dos gastos com a manutenção do futebol, que não rendia muito na época:“O São Paulo F.C não marchava bem economicamente, devido aos enormes gastos feitos com a montagem da sede, no Trocadero.

Os responsáveis por esse fracasso culparam, já se sabe, o futebol… O clube passou a ter 190 contos de dívida, e como as partidas pouco rendiam na situação anormal em que estava o “association” (futebol de modo em geral), mais alarmou os dirigentes do São Paulo F.C., na verdade muitos deles milionários… Aqueles 190 contos de divida, e, francamente, apesar da crise de então, não deveriam abalar o São Paulo F.C., possuidor de uma Floresta e de um quadro de jogadores cujo ”passe” valia muito dinheiro.”Contudo, note-se que a dívida não era tão grande em comparação com o patrimônio do clube bem como a condição econômica do dirigentes são-paulinos, muitos deles milionários (um deles, Cássio Vilaça, se propôs até a pagar a dívida para evitar a fusão, mas sua idéia não teve êxito).Logo, não se verifica uma condição de insolvência a justificar uma eventual falência. Mas vamos retomar o rumo da história.A diretoria tricolor levou adiante a fusão com o Tietê, contrariando a vontade de boa parte dos associados, que acabaram se insurgindo e contestaram o ato perante o Judiciário, pois queriam ter o direito de decidir o destino do clube.Eles acabaram vencendo a disputa, e a fusão só poderia acontecer com a anuência dos sócios. O problema, contudo, é que o estatuto do clube afirmava que apenas os sócios fundadores poderiam votar na Assembléia Geral. Assim, em meio à uma grande e intensa disputa política, foi aprovada a fusão do clube e o São Paulo Futebol Clube deixou de existir.3. Resumo da ÓperaJamais houve falência. Primeiro porque a situação econômica do clube, apesar de incômoda, não caracterizava insolvência, algo comum até mesmo nos dias atuais. Só para se ter uma noção, em 1933, o departamento de futebol gerou uma receita de 381 contos de réis, duas vezes o valor da dívida, que era de 190 contos de réis.É um quadro semelhante ao do futebol brasileiro atual, onde o Corinthians, por exemplo, clube que mais arrecadou em 2010, teve um faturamento de R$ 212.633.000 , com dívidas (perfeitamente ‘administráveis’) no valor de R$ 122.066.000, quase 60% do faturamento do clube.Além disso, jamais houve cobrança judicial dos credores do clube, fator essencial para a configuração do quadro de falência.Portanto, tem-se que houve de fato um problema econômico, mas que não era suficiente para ocasionar a falência do clube.E diante das divergências políticas dentro do clube, que acabou ocorrendo a extinção do clube mediante fusão e não por falência. Mas ainda se poderia alegar que o clube se uniu ao Tietê justamente para evitar a falência. Contudo, conforme demonstrado, o clube não estava em um estado de insolvência, não havendo sequer o risco de falir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário